11 outubro 2007

Dia 1 - 9:30-10:30

Nick estava concentrado no seu projeto. Luciana, que estava do seu lado, não falava havia alguns minutos. Tudo para acelerar o “passo”.

Repentinamente a porta da sala é aberta. Aparece a mesma pessoa que tinha chamado a atenção deles há pouco tempo atrás.

- Luciana, parece que é da escola do seu filho.
L- Telefonema?
- Não. Visita. É CLARO QUE É TELEFONEMA! Venha logo!

E fechou a porta.

L- Quem ele pensa que é? Carlos?

E olhou para Nicholas, que não fez o mesmo se concentrando no seu trabalho, mas respondeu:

N- O filho dele?
L- Grande merda! Quem manda em tudo é o papaizinho dele.
N- O que você acha que a escola quer?
L- Descobrirei. Volto em instantes.
N- OK.

Luciana se dirigiu a sala do lado. O filho de Carlos não estava mais a vista. Pegou o celular que estava sob a mesa.

L- Alô?
- Senhorita Valêncio?
L- Ela mesma.
- Bem, Srta. Valêncio. Temos algo a falar sobre o seu filho, mas só é possível pessoalmente.
L- Precisa ser hoje?
- Presumo que sim. Precisa ser hoje.
L- Bem, posso ir quando buscá-lo? É que...
- É urgente.

Luciana parou por um breve momento para pensar.

L- OK. Darei um jeito de ir agora e...
- Precisamos da presença do pai dele também. É algo realmente sério.
L- ...
- Srta. Valêncio?
L- Tudo bem. Falarei com o pai dele por agora. Estamos indo para aí.

Despediu-se e desligou. Deixou o celular no mesmo lugar onde encontrou e chegou na sala de onde estava Nicholas sem demora.

N- E aí?

Continuava concentrado no seu trabalho e não olhou para ela.

L- Parece que o Eric aprontou algo hoje e pelo visto foi sério.
N- O que seria sério para uma criança de quatro anos? Cuspir no bebedouro? Não dar descarga no banheiro? Interromper a professora?
L- Isso é REALMENTE sério!

Nick finalmente levantou a cabeça e prestou atenção. Pôde ver que ela estava realmente agitada e preocupada.

N- O que eles lhe disseram?
L- Nada. Mas pediram presença urgente nossa lá.
N- O quê? Não posso sair daqui. Carlos vai me ma...
L- Por mais que você ache que não, estou preocupada com nossos filhos. Eles EXIGIRAM a sua presença e se eles EXIGIRAM, você VAI!

Nick ficou um tempo sem falar, espantado com a reação. Mas logo respondeu.

N- As vezes você age como uma esposa de verdade.
L- Posso não ser uma esposa de verdade, mas sou uma mãe de verdade e temos filhos de verdade. Vai ou não?
N- Não tem jeito. Vamos lá.

10:15

L- Ei, Eric e Wania. Esperem papai e mamãe lá fora. Tenho que falar com a professora de vocês, tudo bem?
N- Sim. É só um pouco e iremos para casa.
E e W- Tudo bem mamãe e papai.
- Que bom que chegaram. Sentem-se.

Luciana e Nicholas sentaram em duas cadeiras da sala da professora de Eric e Wania. Luciana esperou os filhos sairem da sala para falar.

L- O que foi que aconteceu?
- Bem. Hoje na aula dos seus filhos eu pedi para desenhar algo bonito e agradável.
N- E o que... Eric... desenhou?

A professora verificou as gavetas por menos de dez segundos e logo tirou um papel rabiscado e colorido.

- Isto aqui.

No papel era visto uma paisagem normal, casas dos lados, grama no chão e estava bem mal pintado, como qualquer criança de quatro anos faria.

Mas no centro do desenho, estava algo parecido com uma borboleta. Ela estava muito bem pintada e caprichada.

O que chamou a atenção foram os detalhes da borboleta. O rosto era humano, os dentes afiados e escorria algo vermelho de um deles. Provavelmente sangue. O corpo era branco e com muitos pêlos pretos e as patas eram parecidas com a de um pato. As asas eram uma mistura de asas de borboleta com dragão (notaram mais semelhança com uma borboleta devido ao corpo).

Os dois ficaram em silêncio.

- Certo... bem... o que eu me preocupo mesmo é que esse desenho não é apenas parte de uma imaginação de uma criança. Isso que está descendo do dente dessa... coisa! Certamente isso é sangue. O filho de vocês já presenciou a morte de alguém ou assiste a filmes violentos?
L- Não. Eu sou até infantil demais com ele e Nicholas não deixa por menos. Tanto com ele quanto com Wania.
N- Sim. Verdade. Eu estava até comentando com Luciana que devemos agir com mais maturidade com ele.
- Eu não entendo. Não é apenas o sangue... é... essa coisa estranha. Os detalhes nesse animal, ou seja lá o que isso for, são tão bem desenhados e pintados que parece que um desenhista profissional fez isso. Claro que não passaria de um rascunho, mas seria sim por um desenhista profissional. E... o que isso significa? É uma mistura de maluquices. As asas são pontudas... não tem como explicar.

Os dois voltaram ao silêncio.

- Eu recomendo que levem Eric a um psicólogo. Eu conheço um muito bom. Vou ver na minha agenda...
L- Mas... e quanto a Wania?
- Sim. Eu ia comentar isso. Por isso perguntei se foi algo particular com o Eric. Wania fez um desenho lindo de uma floresta com bichinhos bem mal desenhados. Acho que eram coelhos, mas não consegui saber ao certo.

Aquele comentário era engraçado, mas ninguém conseguiu rir com aquela situação.

- Achei o telefone. Vou anotar em um pap...
L- Não precisa. Temos o nosso próprio psicólogo. Falaremos com ele. Podemos ficar com o desenho?
- Acho que é de vocês por direito. Mas sigam o que eu disse. Eric deve estar com algum problema. Nada grave, mas deve ser consertado com rapidez.

Eles concordaram, se despediram e saíram da sala logo após. Seus filhos estavam sentados nas cadeiras que tinham em frente a sala. Esperando pacientemente. Quando viram seus pais foram ao encontro deles. Nicholas segurou Wania e Luciana, Eric.

N- Bom. Vamos para casa.
E- Podemos comer naquele lugar? Digam que sim! Sim!
L- Papai e mamãe precisam trabalhar, fil...
N- Ah. Não custa nada, querida. Vamos lá.
E e W- Eeeeeeeeeeeeeee!

Luciana apenas concordou sem muita empolgação e foram para o carro. Wania e Eric estavam alegremente falando o dia na escola e Luciana e Nicholas apenas concordavam e faziam pequenos comentários de vez em quando.

Não demoraram a chegar no carro. Eric e Wania não paravam de bagunçar nos bancos de trás. Nick e Luciana já estavam tão acostumados que não comentaram nem pediram silêncio. Pelo contrário, aproveitaram a situação para falarem.

L- Parecem que os testes estão dando certo.
N- Acha que é o momento adequado para...
L- Ainda não. Manteremos o nível com Eric. Wania entra no teste em treze dias, quando completar quatro anos.
W- Testes de quê, mamãe?

Luciana e Nicholas se assustaram.

L- Han... Nada, Wan. Assuntos de trabalho com seu pai. Apenas isso.
E- Estamos chegando?
N- Sim. Estamos chegando.

Se dirigiram ao local onde aproveitariam para fazer uma pequena refeição antes de voltarem ao trabalho.







PS: Oh my God!
PS2: Esse post ficou grande :B
PS3: Eu quero um PlayStation 3 :/
PS4: Filho do Carlos. Geeeeeeeeeeeeeente! (que gay)
PS5: Eric é matador. Hahaha
PS6: Em qual lugar eles foram comer? Bateu uma fome :O
PS7: OK. Chega de PSs.

por Igor PhOeNiX_H, às 00:22 -

- x -



Pylon: (inglês) torre de alta voltagem.

Uma simples música estimulante... ou uma droga poderosa?
Uma coisa é certa: os usuários nunca mais terão suas mentes como eram antes.






PERFIS DOS PERSONAGENS
× clique aqui




PARA DOWNLOAD
× Atualizado em 31/01/2008 - 04:43




PARA ATUALIZAÇÕES VIA FEED
× clique aqui




POSTS ANTERIORES
× Dia 1 - 8:30–9:30
× Dia 1 - 9:00-9:30
× Dia 1 - 8:30
× Dia 1 - 8:00-9:00




LINKS
× Anja Caída
outra história, da Tatah!

× Fim dos Tempos
(comunidade do livro do Igor)

× 70 Anos Depois
(comunidade de outro livro do Igor ¬¬")

× Não sei escrever!
blog da Tatah :B




ARQUIVOS
× Setembro 2007
× Outubro 2007
× Novembro 2007
× Dezembro 2007
× Janeiro 2008
× Fevereiro 2008





CRÉDITOS
× Tatah
× Haloscan
× Blogger


Free Web Counter

online